segunda-feira, abril 16, 2007

Se o amor não existe...




Foto de Bruno Dias.


Se o amor não existe...


Os filósofos nos contam
que a realidade é apenas uma ilusão,
algumas vezes compartilhada,
e não deixamos de confiar em nossa percepção ingênua.

Se o amor é uma ilusão,
é a prova mais sublime de nossa potencialidade para criar.
Pois amar é um verbo definitivo.

O que importa não é amar o pequeno ou o grande,
o frágil ou o forte,
o feio ou o belo
o branco, o vermelho, o preto ou o amarelo.
Importa amar.

O amor cotidiano,
que chama de querido a todo mundo,
que abre um sorriso a cada transeunte,
que deseja de coração um bom dia
ao vizinho, ao motorista, ao porteiro,
ao cobrador, ao ambulante, ao padeiro,
ao frentista, à recepcionista ou ao açougueiro,
é que sinaliza o amor verdadeiro
e prepara para a experiência de amar por inteiro.

Porque amor, para ser,
aceita como encanto cada ruga no rosto do amado,
cada recusa e cada dia mau-humorado.

Porque, amar ao ser beijado,
não é exclusividade de apaixonado.

Se o amor é uma ilusão,
sejamos todos ilusionistas
e criemos um mundo onde cada gesto e cada opinião
sejam motivo de consideração.

Denise Gomes.

Um comentário:

Raquel Moren disse...

Nossa! Muito lindo seu poema! Parabéns. Posso copiá-lo?
Beijos.